Archive for ‘Fashion Week’

2011/01/31

Huis Clos e Maria Bonita

Depois de uma temporada fora da semana de moda paulista, Huis Clos volta com uma coleção minimalista e com grandes volumes na parte de cima. O tema é “signos expressivos presentes na alma das mulheres; imagens que travamos com nossas questões mais instigantes; mistérios que jamais serão desvendados”. A cor predominante, inclusive da passarela, é negra, além de cinza e marinho. Gostei da combinação de materiais nas peças. Vários recortes e texturas como lã, rendas, pêlo sintético, malha, jacquard, xadrez e nylon (linda a primeira jaqueta do desfile). Adorei as luvas com pêlos, os botins e as máscaras de penas. Ultra feminino e sensual.

O segundo desfile foi da Maria Bonita. A coleção é inspirada na cidade de Brasília e na obra do pintor brasiliense Athos Bulcão – foi um renomado pintor, escultor, arquiteto, desenhista e mosacista. Muitas peças lisas nas cores azul, marrom, preto, cinza, off-white e estampa em mosaicos. A coleção é dócil, pueril, leve e descomplicada em materiais como seda, malha de lã e algodão dublado. Super confortável.

Créditos: © Agência Fotosite (Site: http://ffw.com.br/)

2011/01/31

Ashton Kutcher para a Colcci? Não o vi…

Até agora domingo foi o meu dia favorito. Começou com o desfile da Iódice. Achei a coleção clean e feminina. O tema são as obras do fotógrafo Sam Haskine, que faleceu em 2009. Ele é um dos precursores do fine art e das montagens pré-Photoshop. A outra novidade foi o stylist de Benjamin Calopin, qual foi assistente de Carine Roitfeld e hoje trabalha com a Versace e Tom Ford. Tecidos como couro (quero as luvas longas), jérsei, georgette, seda, lã com detalhes em franjas de couro, tachas e bordados. A cor predominante é o preto com um pouco de branco, nude, marrom (mas bem clarinho), laranja, e detalhes em dourado. Adorei as cinturas marcadas, a fluidez dos vestidos e os chapéus.

E quem estreou na SPFW foi a Juliana Jabour e quem trouxe mais uma vez Fernanda Lima para a passarela. A coleção linda e fofíssima como sempre. Um grunge super moderno. Peças ultraconfortáveis com muita personalidade e estilo. Gostei muito do stylist de Daniel Ueda e da beleza de Daniel Hernandez. Materiais como algodão acetinado, crepe de chine, gaze de viscose, malha com lurex, moletom de lã, tafetá texturizado e sarja de algodão. Tecidos com toque sedoso e para o nosso conforto. A cartela de cores é escura (azul, beterraba, preto e verde militar) com um pouco de bege.

A Cori mostrou um desfile mais austero. Nenhuma novidade nos shapes. Vestidos curtinhos com maxi paletós, saias longas, vestido acinturados Muito preto, branco, vermelho e bege. Materiais desde lãzinha e pele. A beleza limpa somente com batom vermelho e cabelo preso.

Depois do incêndio que destruiu o acervo da Osklen, Oskar decidiu fazer uma coleção com os clássicos da marca. Desde o tênis mais copiado, dos cashmeres de gola V, dos blusões que transformam em saia e vice-versa. A cartela de cores é rica, desde cinza, azul Royal, vermelho, verde, laranja, bege, ocre. Até a estampa de hibiscos quanto ao fogo do incêndio fizeram parte da releitura. Oskar foi buscar na Itália o cashmere, trouxe para passarela também lã, chamois, couro, moletom (claro!!!), pelúcia e couro de peixe.

E para quem estava ansioso esperando o maridinho da Demi Moore (que estava na primeira fila): Ashton Kutcher para a Colcci o viu somente na entrada final com jeans escuro, camiseta soltinha e jaqueta de couro. Parece piada, mas é verdade. Depois de todo o burburinho fashion. A Bienal devia estar lotada e vimos mais uma vez apenas Gisele que se despede (até quando?!) das passarelas nacionais. A coleção é comercial. Muitas hot paints, corselet, camisões, vestidinhos, calças ultraskinny. As cores preto, azul, bege, blue e black jeans, salmão e xadrez.

Créditos: © Agência Fotosite (Site: http://ffw.com.br/)

2011/01/30

Reinaldo, Ghetz, Ellus, Neon, Amapô e Alexandre

O primeiro desfile desse sábado foi de Reinaldo Lourenço um dos desfiles mais bonitos dele. Uma coleção muito chique e refinada. A inspiração é pérolas da noite, alta-costura e festas privés dos anos 30. O preto é a cor predominante, mas há também muito off-white e uma estampa de boquinhas com fundo branco e nas cores alaranjadas e Black. Couro muito bem trabalhado com babados e recortes, alfaiataria impecável.

A estréia da Ghetz na SPFW trouxe o jovem estilista Lucas Nascimento para criar suas peças em tricô. As peças são sequinhas, próximas ao corpo, leggings em lã e pantalonas amplas plissadas. Uma coleção com cores fortes como vermelho, berinjela, azul, roxo, cinza e preto.

Pena que minha época clubber já passou, caso contrário ia querer muito uma calça jeans que brilhasse no escuro. Essa foi a aposta da Ellus que trouxe o Luminatto Jeans que brilha no escuro, como o jeans com acabamento de couro – o leather denim. Na onda mundial do 3D a Ellus montou uma sala de cinema no espaço, desenvolvido pelo fotógrafo Jacques Dequeker na qual a coleção foi transmitida em nos cinemas do Shopping Iguatemi em São Paulo e no Fashion Mall no Rio. A estrela foi a modelo catarinense Aline Weber a la Barbarella. Jeans justíssimos, calças ultraskinny, vestidos curtíssimos, minissaias e plissados foram o forte da coleção. Amei as botas pesadinhas e o make super clean de Robert Estevão.

Adoro os desfiles da Neon é sempre uma festa e  explosão de cores. Adoro a estampas criativas e coloridas. Tecidos como seda, tafetá, gorgurão, malha, plush, jersey, couro, camurça, veludo, tricô, crepe e linho. Algumas peças soltinhas e confortáveis, mas algumas justíssimas e curtíssimas. Para variar nada de básico na coleção.

A Amapô trouxe um desfile masculino com ótimos recortes, alfaiataria, sobreposições, cores e estampas que eu adorei. A coleção feminina é muito colorida e se sobressai pela mistura de materiais. As formas são desconstruídas, vestidos amplos e algumas peças próximas ao corpo. A cartela é uma mistura de cores e duas estampas: “Segredo do Abismo”, criada pela cantora Cibelle, e “Tapeçaria”, de Fábio Gurjão.

A noite encerrou com Alexandre Herchcovitch. Para ser sincera achei bem bizarra e estranha essa coleção. O tema: rochas vulcânicas, magma, vulcões e sedimentos de rocha que por sinal não explodiu. Predomina o preto com pontos em amarelo enxofre. Tecidos como cetim de seda envelhecido, chiffon de seda, cashmere e renda. As calças são desconstruídas e as saias assimétricas, barras longas, cinturas no lugar e mandas amplas. Quem fechou o desfile foi a modelo transexual brasileira Lea T.

Créditos: © Agência Fotosite (Site: http://ffw.com.br/)

2011/01/29

São Paulo Fashion Week

E ontem na Bienal começou mais uma São Paulo Fashion Week Inverno 2011. O primeiro desfile foi da Animale. Quem abriu o desfile (mais uma vez) foi Raquel Zimmerman. A maior parte o desfile em branco, com pinceladas no nude, laranja, azul e fechando no petróleo, castanho e preto. Apesar dos tecidos como tricô em lã e couro achei a coleção bem fresquinha. Sandálias de tiras finas super verão. Alguns tecidos acetinados e organzas de seda. A silhueta na maior parte justa. Um desfile em geral minimalista.

O segundo desfile foi da marca Tufi Duek, hoje pertencente à catarinense AMC Têxtil. O tema é a arquitetura e o design escandinavo. Peças estruturadas, femininas e desejadas. As cores desde off-white, nude, dourado (incrível) e preto. Os tecidos são sofisticados: crepe, organza, paetê e couro, muitas vezes misturados entre si. As formas são amplas ou justas ao corpo. Vários comprimentos na coleção, calças secas e pantalonas que estão voltando com força. A beleza é bem natural, o cabelo dividido ao meio e preso. Simples e clássico.

Quero a coleção inteira do Samuel Cirnansck!!! O tema “uma mulher urbana perdida na floresta em uma noite fria” (que historinhas, hein?!), o trabalho surrealista do pintor Mark Ryden e do escultor Patrick Doughert. Silhuetas variadas, muitos fluidos, moulage, corselet (marca chave de Samuel) e uma pitada rock’n’roll. As cores começam clarinhas com bege, branco, nude e passa para azul e preto. Os tecidos são transparentes, rendados, lã, viscose, algodão, látex e silicone. Muito bordado, frufrus, cristais, vidrilhos e canutilhos. A coleção é extremamente feminina e urbana. Vestidos com trech-coats, sensuais e contemporâneos.

A noite terminou com a jovem Triton que até disponibilizou o desfile ao vivo no site da marca. E para abrir o desfile, ninguém menos, que a herdeira Paris Hilton. O tema o estilo college muito bem trabalhado e conceituado. Coleção rica em cores e estampas: preto, cinza, azul, verde, caramelo e estampas metalizadas. Materiais como matelassê, algodão, bordados, lã, pele, rendas e veludo. Saias assimétricas, pregas, cinturas marcadas, calças secas, camisas e recortes clássicos de bons paletós e uniformes de colegiais. Um desfile cara das meninas da marca.

Créditos: © Agência Fotosite (Site: http://ffw.com.br/)

2011/01/26

ModaLisboa já tem data!!!

2011/01/16

Encerra o Fashion Rio

Último dia de Fashion Rio. O evento começa com o desfile de Nica Kessler. Os temas de inspirações foram os filmes “Mary Poppins” e “Ironias do Amor”. As cores predominantes são o preto, cinza e marrom, mas também há mostarda e detalhes em vermelho. Estampas florais escuras, muitas listras, tweed e rendas. Acessórios brincos grandes, bolsas tiracolo e lindos peep-toe que seriam perfeitos para o meu pezinho.

O segundo desfile sobre a “Com Ciência Negra” d’OEstúdio. A trilha sonora teve participação da cantora Daúde. A modelagem ampla e utilitária, com muitos recortes. Peças simples e confortáveis. Muito preto com pontos avermelhados. Destaque para o make.

Andréa Marques marcou o terceiro desfile muito feminino e elegante. Cinturas marcadas, peças próximas ao corpo, calças retas e clássicas. As cores preto, vermelho, azul, verde e estampas de besouro – tema da coleção. Muita transparência e brilho marcaram a coleção. Nos pés clogs e mais clogs.

O jovem Lucas Nascimento desenvolveu uma coleção simples, envolvida com o movimento e usabilidade em um cenário urbano. Muitas peças estruturadas que lembravam armaduras e trabalho arquitetônico. Cores lisas entre preto, verde, camelo e cinza.

O encerramento foi com a marca Auslander que levou a platéia para o filme “Vida Selvagem”. Trilha Nepal com direito a neve e tudo. As cores entre nude, vermelho, amarelo, cinza, preto e muito pele. Uma coleção comercial com muitos mantôs e capas. Muita flanela, moletom, couro, pele sintética e tricô. Os meninos estavam barbados como no filme. Destaque para a primeira capa de Daiane, mas gostei mesmo do último look dela.

Créditos: © Agência Fotosite (Site: http://ffw.com.br/)

2011/01/15

Sexta-feira é marcada pela jovialidade o Fashion Rio

Dia 14 os desfiles começaram cedo. Primeiro com a Cantão que realizou o desfile no Parque da Lage, ao ar livre. Adereços coloridos foram expostos no local. Estampas miúdas nas cores cereja, rosa, azul, laranja, verde, cinza e preto alternam-se entre si. Alguns detalhes em paetês e estampa metalizada. Maxi-pulseiras, óculos arredondados, luvas, chapéus complementam a coleção. Formas amplas e confortáveis com calças soltinhas e mais curtas. Nos pés galochas coloridas para animar os dias de chuva.

Quem retorna ao Fashion Rio é a marca Coca-Cola Clothing, do grupo AMC Têxtil de Jaraguá do Sul. A marca jovem está mais madura e traz à passarela a ex-modelo Thaila Ayala. Maxi-tricô, micro vestidos justíssimos, peças confortáveis para eles e peças ultra sexy para elas. A “estampa” criada com as tachinhas foi o ponto forte da coleção. Amei a beleza de Max Weber. Cabelo cara de sujinho, desgrenhado que não estou nem ai. Maça do rosto marcada com blush e muito rímel.

A coleção da Redley venho MEGA cinza, um leve alaranjado e vermelho passa correndo para o preto. Sem muitas estampas, leve, muita malha, um pouco de couro e materiais tecnológicos. O tema é a evolução, o estudo de movimento e textura para criar uma coleção urbana, mas confortável.

A marca masculina R.Groove trouxe para passarela uma diversidade de texturas. O tema é o homem de lugar nenhum, ou seja, para qualquer lugar. Materiais pesados como sarja, lã, tricô e flanela misturam-se na mesma peça com recortes estratégicos. Uma miscelânea entre o étnico, militar e rústico com bons casacos, paletós e modelagem variada.

A coleção Espaço Fashion trouxe uma coleção suave que remete ao sentimento do afeto, como se as dobraduras, estampas, amassados fossem lembranças que guardamos nos diários. As cores são suaves e neutras. A modelagem ampla e um pouco desestruturada, amarrações, camadas e recortes muito soft e leve. Algumas cinturas marcadas. Misturas de tecidos bem realizada. A novidade é a pintura manual feita diretamente na peça. Quero a coleção toda lá em casa!!! Beleza apenas com um olho castanho.

Créditos: © Agência Fotosite (Site: http://ffw.com.br/)

E para terminar a noite a marca de acessórios New Order, irmã mais nova da Osklen. A coleção é militar, mas ao mesmo tempo romântica com adereços do ballet. Materiais como couro, napa, cetim, camurça, tule e linho desenvolvem peças descoladas. As cores predominantes são o verde musgo e o rosa. Os calçados com ar militar traz  a ponta das sapatilhas de battet e muita fita cetim.

Créditos: © Agência Fotosite (Site: http://revistamarieclaire.globo.com/)

2011/01/14

De tudo um pouco: Afeganistão, Cultura Soul, Tropicalismo, Beatnik e Cultura Japonesa

Quinta-feira, dia 13, a terceira noite do Fashion Rio abriu com ninguém menos que Walter Rodrigues. Seus temas sempre audaciosos, dessa vez inspirada no livro “Viagem ao Afeganistão”, de Arthur Omar (lembrei da coleção super antiga – não lembro a data – do Peru com as “tatuagens” e campanha espetacular). Uma coleção clássica, de formas simples. Calças mais sequinha com peças mais amplas e confortáveis. A cartela é praticamente Black. Walter deixa de lado as pedrarias, estampas com intuito chegar à simplicidade. Fala da quebra de paradigmas e rituais, na eliminação de detalhes. Os tecidos simples, como crepe, cetim, tricoline, musseline a malha compõem a coleção. A beleza é leve com um batom vermelho mate, cabelo liso, sobrancelhas marcadas e máscara somente nos cílios superiores.

A Têca fez uma coleção baseada na cultura japonesa e na feminilidade da lingerie. Amarrações que remetem aos quimonos, recortes que lembram as peças íntimas estavam presentes. As cores doces como cinza, bege, caramelo, rosa e azul pastel. Uma modelagem rente ao corpo, com algumas saias rodadas, capas (ponto alto para o inverno) e mangas mais amplas, mas tudo muito suave.

O terceiro desfile da Totem reporta-se a cultura soul. Muitos vestidos fluídos (peça forte da marca), boca de sino, cinturas altas e marcadas. Para os meninos calções mais curtinhos bem setentinha. Para acompanhar a onda, os tecidos de crochê metalizado, jacquard de tricô, linho rústico e cotelê. Estampas geométricas misturam-se com o branco, preto, prate e vermelho.

O inverno da Printing foi super colorido e tropical. Pitadas ácidas em looks mais sóbrios, muitas penas (amo), estampas e pedrarias. É tudo o que eu quero para o inverno. Cansei do pretinho básico. A beleza é só correção de pele com um cabelo preso e molhado. As peças têm movimentos, desde peças retas e confortáveis às peças fluídas. Sem dúvida quero lace boots de saltos e as luvinhas.

Para encerrar a noite, e penúltimo capítulo de Passione, quem esteve presente na passarela da TNG foram Reynaldo Gianecchini e Mayana Moura. A coleção remete ao movimento beatnik. Muitas calças dobradas, paletós, jaqueta e cardigans mais soltinhos e com cara de velhinho. Muito xadrez, azul, marinho, vinho, cinza e preto. Peças comerciais que está bem forte nas ruas das principais cidades do mundo.

Créditos: © Agência Fotosite (Site: http://ffw.com.br/)

2011/01/13

Segunda noite do Fashion Rio

O primeiro desfile do dia 12 foi da Acquastudio. Um desfile harmonioso, feminino, chique com um stylist impecável da dupla Davi Ramos e Flavia Pommianosky. A inspiração entre a fragilidade humana e arquitetura urbana, trouxe formas estruturadas, arquitetadas e nervuras tridimensionais. Muitos recortes nas peças e acinturadas. Os tecidos pesados como lã, teares com tramas quadriculadas, bordado e a leveza da organza. Os sapatos foram criados pelo top Fernando Pires e como acessório uma luvinha delicada.

A menina-mulher da Maria Bonita Extra é sempre encantadora. Com uma pegada urbana tem elementos do ballet e peças esportivas. Shortinho em malha, laços, fita em cetim, hotpants, meias 7/8 com tule, malha, seda, renda e transparência. O cabelo um super coque com headband super cute. A cartela de cores em tons neutros, com o rosa pálido, castanhos e azuis com toques de amarelo ouro, verde e vermelho. Adorei o primeiro look da top catarinense Aline Weber. Extremamente romântico e esportivo.

O tema da Coven foi à tecelagem e percebe-se fortemente com os tecidos utilizados. Tecidos pesados e trabalhados, mas que valoriza a silhueta feminina. Gosto dos botins curtinhos e com um ar pesadinho. A mistura de estampas e cores inovadoras.

A jovem Giulia Borges apresentou sua terceira coleção que transmite o seu próprio estilo. Muitas new faces com um ar infantil e inocente. Uma coleção pueril, mas clássica. A inspiração Hanpanda um animal metade panda e metade outro animal fofíssimo da artista Nagi Noda. Cores fortes como laranja, camelo, misturam-se com verde, cinza, bordeaux e o clássico branco e preto.

Lembro bem das coleções masculinas da British Colony no SPFW e da meninada correndo atrás do Maxime Perelmuter (RsRsRs) Uma coleção comercial e nada de muita novidade com cores vibrantes desde vermelho, amarelo, azul, cáqui, preto e branco. Com a inspiração naval surgem peças que lembram de pescaria.

Créditos: © Agência Fotosite (Site: http://ffw.com.br/)

2011/01/12

A largada do Fashion Rio

Primeira noite do Fashion Rio: quatro desfiles. Os desfiles da Alessa sempre são uma surpresa e esta foi um doce só. Intitulada Doce Lar, inspirado em guloseimas, brigadeiros, cupcakes e balas. Que pecado!!! As cores são desde jujubas multicoloridas, confetes e outros docinhos que contrapõe com o paetês dourado fosco e renda preta.  Gostei muito do stylist de Daniel Ueda e da beleza de Robert Estevão. Bochechas bem marcadas, batom vinho e completada com lindas armações. Muitas sobreposições e mistura de tecidos Os tecidos desde cetim, crepe, malha, tule, renda, tweed e jacquard. Os acessórios foram produzidos pela marca Francesca Romana Diana.

A dupla Filhas de Gaia apresentaram um desfile muito arrojado, com destaque para uma alfaiataria diferenciada. Formas amplas e fluídas com muitas fendas estratégicas. Os tecidos eram leves como seda, musseline e georgete. A cartela de cores estava entre o preto, cinza, verde, camelo e off-white. Os sapatos modelo Oxford com salto.

Sem dúvida muito interessante o trabalho de tecido da Melk Z-Da, mas o stylist deixou a desejar. Mistura de veludo, organza, lã de camelo, tafetá, cetim, tricô, tapeçaria e até cabelo sintético (na minha opinião o que salva é o casaco caramelo embaixo). A coleção foi inspirada nos mitos e lendas de Fernando de Noronha. O forte é o off-white que mistura com o coral, amarelo, azul, preto e cinza.

A consagrada Patachou trouxe os filmes clássicos de suspense e mistério para a passarela. As cores estavam entre cinza, grafite, marinho e preto. A silhueta muito feminina, próxima ao corpo com algumas estruturas em volume e trabalho de moulage. As texturas percorriam do jacquard com fios de seda, tule, cetim, renda, tricô e paetê. As sobrancelhas marcadas (amei!) e uma beleza mais leve.

Créditos: © Agência Fotosite (Site: http://ffw.com.br/)