O retorno as origens e a simplicidade

O primeiro desfile da tarde foi Do Estilista de Marcelo Sommer. Lembrem do meu primeiro post, quando falei de toda a modelada, pois Marcelo reuniu a “velha-guarda” (desculpa meninas…RsRsRs) e colocou na passarela.

Quem abriu o desfile foi a linda da Carol Ribeiro com um vestido fofíssimo verde, meias 7/8 e botas longa de amarrar (objeto de desejo). Depois apareceram as gêmeas Bittencourt, Mariana Weickert, Ana Claudia, Lara Gerin, Daniela Raizel, Cassia Ávila, Isabela Fiorentino, entre outras, mas para encerrar, claro, a musa Luciana Curtis. Adorei!!!

Nessa temporada usou muitas cores lisas como preto, bege, rosa, verde e marrom e estampas miúdas, em minha opinião bem romântica. No caso dos materiais seda, renda, tafetá e georgette. As formas são soltas, fluídas, vestidos longos e curtos com pegada vintage, laçarotes e transparências.

A estilista lisboeta Ana Salazar revolucionou a moda nos anos 70 em Portugal. Em 78 criou uma marca que leva o seu nome. Em 1985 abriu uma loja/showroom em Paris. Final dos anos 80 passou apresentar suas coleções sazonalmente em Lisboa e em 2001 participou da 7th on Sixth Fashion Week em Nova Iorque. Ana já participou de outros eventos na capital paulista com o apoio do Consulado de Portugal e PortugalFashion. As florestas centenárias da região central de Portugal é a inspiração para o inverno 2011. Consigo traz a stylist portuguesa Isabel Branco. A cor predominante é o preto, mas aparece também o vermelho bem chamativo, castanho, verde oliva, estampas e metalizados. A respeito dos materiais sarja, pele, musseline, malha, gase e feutro. Nos pés lace boots bem pesadinhos. O stylist é um pouco duvidoso, mas a cara de Salazar. Vestidos drapeados e soltinhos, calças retas, mangas de um ombro só fazem parte da coleção.

Sem muitas inspirações Fause Haten entrega-se ao vazio e escolhe uma musa: Catherine Deneuve no filme “A Bela da Tarde”. Lembrou-me os filmes de Manoel Oliveira. Haten está mais comercial, feminino, elegante e chique. Algumas peças são acinturadas, outras nem tanto. Vestidos leves e refinados. As modelos estavam todas com cabelos a La Deneuve: loiríssimas, olhos extremamente marcados. Entre as cores pretas, brancas e nude. Além dos detalhes metalizados. Para encerrar o desfile piano de cauda e dança contemporânea bem sensual.

A marca de Jefferson Kulig é a tecnologia têxtil. Suas referências para este inverno são a Internet, a comunicação e os grafismos do mundo digital. As formas são distantes do corpo, mas bem feminino. Mistura vários tecidos como lã e couro cortado a laser; rendas tecnológicas e metal. A cor em destaque é o preto, mas há muitas estampas digitais. Gostei muito das sandálias e das cores.

Para encerrar a noite o cearense Lino Villaventura. Achei Lino mais contido, sem deixar de lado o trabalho manual. O tema da coleção é o evento São Paulo Fashion Week e uma homenagem a Paulo Borges. O desfile é praticamente negro, mas aparece também o off-white, vermelho, ocre, petróleo e o cinza. Os tecidos são  refinados como Jersey, gazer de seda pura, tafetá de seda, cetim, tule texturizado, veludo e malha com efeito de couro.  Trabalho espetacular de mistura e recortes.

Créditos: © Agência Fotosite (Site: http://ffw.com.br/)

Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: