Archive for Fevereiro 2nd, 2011

2011/02/02

Alexandre, João Pimenta e Gloria Coelho

Finalmente o último dia (ufa!). A coleção masculina de Alexandre Herchcovitvh é entre o embate do homem e da natureza em suas condições extremas. As peças são para se protegerem das catástrofes como terremotos, vulcões e tempestades num estilo bem futurístico. Como material encontras Tyvek (Um material denso, difícil de cortar com tesouras ou facas. Uma marca DuPont), astracã sintético, cetim, cashmere, nylon teflonado, couro de cobra e sintético e acetato térmico. Espero que nada de ruim aconteça por aqui. Já bastam todas essas enchentes, né?! As cores são preta, prata, cinza, alaranjada e caramelo.

O jovem João Pimenta trabalhou a forma trapézio (linha A) para a moda masculina, aplicados aos universos militares e religiosos. Observa os detalhes nas abotoaduras, na alfaiataria, nos cortes, nas formas, como nos bordados, amarrações na cintura e os hábitos de freira. Os calçados são bem militares. A cartela de cores é praticamente preta, cinza, branca e bege. Os tecidos como sarja emborrachada, lã e veludo fazem parte da coleção. Uma coleção sem excesso, mas sem deixar de lado a identidade de Pimenta. A beleza é comportada: o cabelo é bem certinho, a pele natural com um leve rosadinho nas bochechas (Ai! Sou tímido e comportado!). Quem fecha o desfile é o fofíssimo do Matheus de Davi.

Gloria Coelho inspira-se no Pokémon, motocroos, anos 30 e 60, armaduras (notável) e marajás. As peças são estruturadas, a modelagem impecável. Os materiais vistos são cetim de seda, organza de seda, couro, tafetá, cetim, lã artracã e cristais. Cores pretas, brancas e cinza, mas está presente também o azul claro, areia, vermelho, bege, amarelo e prata. Quero essas botinhas!!!

Créditos: © Agência Fotosite (Site: http://ffw.com.br/)

2011/02/02

O retorno as origens e a simplicidade

O primeiro desfile da tarde foi Do Estilista de Marcelo Sommer. Lembrem do meu primeiro post, quando falei de toda a modelada, pois Marcelo reuniu a “velha-guarda” (desculpa meninas…RsRsRs) e colocou na passarela.

Quem abriu o desfile foi a linda da Carol Ribeiro com um vestido fofíssimo verde, meias 7/8 e botas longa de amarrar (objeto de desejo). Depois apareceram as gêmeas Bittencourt, Mariana Weickert, Ana Claudia, Lara Gerin, Daniela Raizel, Cassia Ávila, Isabela Fiorentino, entre outras, mas para encerrar, claro, a musa Luciana Curtis. Adorei!!!

Nessa temporada usou muitas cores lisas como preto, bege, rosa, verde e marrom e estampas miúdas, em minha opinião bem romântica. No caso dos materiais seda, renda, tafetá e georgette. As formas são soltas, fluídas, vestidos longos e curtos com pegada vintage, laçarotes e transparências.

A estilista lisboeta Ana Salazar revolucionou a moda nos anos 70 em Portugal. Em 78 criou uma marca que leva o seu nome. Em 1985 abriu uma loja/showroom em Paris. Final dos anos 80 passou apresentar suas coleções sazonalmente em Lisboa e em 2001 participou da 7th on Sixth Fashion Week em Nova Iorque. Ana já participou de outros eventos na capital paulista com o apoio do Consulado de Portugal e PortugalFashion. As florestas centenárias da região central de Portugal é a inspiração para o inverno 2011. Consigo traz a stylist portuguesa Isabel Branco. A cor predominante é o preto, mas aparece também o vermelho bem chamativo, castanho, verde oliva, estampas e metalizados. A respeito dos materiais sarja, pele, musseline, malha, gase e feutro. Nos pés lace boots bem pesadinhos. O stylist é um pouco duvidoso, mas a cara de Salazar. Vestidos drapeados e soltinhos, calças retas, mangas de um ombro só fazem parte da coleção.

Sem muitas inspirações Fause Haten entrega-se ao vazio e escolhe uma musa: Catherine Deneuve no filme “A Bela da Tarde”. Lembrou-me os filmes de Manoel Oliveira. Haten está mais comercial, feminino, elegante e chique. Algumas peças são acinturadas, outras nem tanto. Vestidos leves e refinados. As modelos estavam todas com cabelos a La Deneuve: loiríssimas, olhos extremamente marcados. Entre as cores pretas, brancas e nude. Além dos detalhes metalizados. Para encerrar o desfile piano de cauda e dança contemporânea bem sensual.

A marca de Jefferson Kulig é a tecnologia têxtil. Suas referências para este inverno são a Internet, a comunicação e os grafismos do mundo digital. As formas são distantes do corpo, mas bem feminino. Mistura vários tecidos como lã e couro cortado a laser; rendas tecnológicas e metal. A cor em destaque é o preto, mas há muitas estampas digitais. Gostei muito das sandálias e das cores.

Para encerrar a noite o cearense Lino Villaventura. Achei Lino mais contido, sem deixar de lado o trabalho manual. O tema da coleção é o evento São Paulo Fashion Week e uma homenagem a Paulo Borges. O desfile é praticamente negro, mas aparece também o off-white, vermelho, ocre, petróleo e o cinza. Os tecidos são  refinados como Jersey, gazer de seda pura, tafetá de seda, cetim, tule texturizado, veludo e malha com efeito de couro.  Trabalho espetacular de mistura e recortes.

Créditos: © Agência Fotosite (Site: http://ffw.com.br/)